sexta-feira, 28 de agosto de 2009

SONETO de IALMAR - AQUARELA de ÂNGELA

Aquarela La Reina de Ângela Ponsi



SONETO

Ialmar Pio Schneider

A noite ainda esconde os seus mistérios,
é tempo de chorar pelos fracassos...
As estrelas nos páramos sidéreos,
indiferentes, seguem os meus passos.

Quisera tanto agora teus abraços
e receber assim sonhos etéreos,
que devem existir pelos espaços
para poetas que nem eu, aéreos !...

Vem, ó Musa, consola o teu eleito,
nestas horas noturnas de ansiedade
em que sinto um delírio no meu peito !

Antes que surja o sol à minha porta,
aparece, matando-me a saudade,
e a me provar que não estejas morta !...

- 22.03.97

Um comentário:

  1. BRAVO!!!!! O trovador e sua musa! Que beleza de soneto! bjus querido!

    ResponderExcluir